Cálculo de custo de produção: aprenda a fazer em 7 passos

8 minutos para ler

O cálculo do custo da produção indica quanto você efetivamente gastou para produzir a safra. Por isso, ele é uma ferramenta essencial para conhecer a produtividade e a eficiência da sua propriedade. Desse modo, você forma o custo da safra de maneira mais adequada e garante o fluxo de caixa da sua fazenda.

Isso porque o custo de produção envolve diferentes variáveis, como combustível das máquinas, fertilizantes, defensivos agrícolas e mais. Ao ter noção exata desse aspecto, você identifica gargalos, verifica o que pode ser melhorado e aumenta sua capacidade de tomar decisões.

Mais que isso, calcular o custo de produção ajuda a mensurar sua lucratividade real a fim de aumentar a margem nos resultados obtidos. Por todos esses motivos, fica claro que você precisa monitorar esses números, certo? Veja o que fazer em 7 passos.

1. Registre as informações de atividades em planilha

O cálculo do custo de produção costuma ser feito por hectares. Ele considera o valor total das atividades, exceto os investimentos, dividido pela área da propriedade. Você ainda pode mensurá-lo por saca, que é o total gasto por hectare dividido pela produtividade alcançada por hectare.

Considerando a produção de soja, por exemplo, se a despesa total da atividade for de R$ 1,1 milhão e são produzidas 23 mil sacas, o custo é de aproximadamente R$ 48 por saco. A partir disso, você consegue um melhor planejamento na comercialização, com o fechamento de contratos para cobrir seu custo primeiro. Em seguida, com o planejamento dos demais contratos dentro da margem de lucro desejada.

Entende como o cálculo é importante? Para ser eficiente, esse cálculo precisa considerar:

  • custos diretos, relativos à produção, como mão de obra, insumo e maquinário;
  • custos indiretos, ou seja, despesas administrativas, assessoria jurídica, pagamento a prestadores de serviços etc.

Diante de todas essas especificações, como controlar tudo? Uma possibilidade são as planilhas. Você pode utilizar uma feita por você e anotar tudo que foi utilizado e a quantidade.

2. Relacione a quantidade de produto

Diferentes variáveis precisam ser consideradas no cálculo do custo de produção. Uma delas é a quantidade de produto. Garanta que a quantidade e a dosagem estejam corretos e assegure a regulagem frequente dos implementos para ter certeza de que a mensuração esteja adequada.

Atente à necessidade de que, o que deve ser planilhado, é quanto de produto foi gasto, e não o volume de calda aplicada, a fim de evitar distorções posteriores no custo devido ao volume. No final, deve-se dividir a quantidade e o valor dos produtos pela área plantada para chegar ao custo por hectare de cada produto e, por consequência, de cada tipo de despesa a qual pertence.

3. Descreva os gastos com maquinário

Os equipamentos também precisam ser considerados no cálculo do custo de produção. Nesse momento, é preciso compreender que o valor pago pela máquina é dividido por toda a sua vida útil. Portanto, o valor empregado para a compra de um pulverizador, por exemplo, é distribuído no custo durante todo o tempo de trabalho dele, no caso, próximo de 20 anos através da depreciação anual.

Essa análise ainda ajuda a entender a depreciação do maquinário e quanto gerou de valor para o negócio. Por esse motivo, esse custo deve ser adicionado aos outros do equipamento, como manutenções preventiva e corretiva. Valores aplicados para melhorias e atualizações devem ser agregados.

Na hora de calcular a depreciação do maquinário, utilize uma tabela de alíquotas adequada à sua região e às atividades desempenhadas. Essa é uma forma de mensurar o retorno sobre o investimento e tomar uma decisão consciente para a compra ou troca de um equipamento.

4. Sinalize os custos da mão de obra envolvida

O cálculo da folha de pagamento é fundamental, porque esse é um dos principais gastos no campo. Além disso, eles variam de forma significativa, conforme o período do ano. Um exemplo é o período de colheita, no qual se costuma contratar trabalhadores temporários.

Depois de fazer a consideração, avalie o gasto projetado e compare com o executado. Veja se algum trabalhador ficou ocioso, pois essa é uma forma de mensurar melhor a necessidade de mão de obra fixa e variável para as próximas safras.

5. Organize por categorias de custos variáveis e fixos

Existem vários custos fixos e variáveis que são, muitas vezes, negligenciados. Esse é um detalhe importante a ser observado, assim como existem outros. A consultora Miriam Fiss Bosenbecker destaca que:

É necessário atentar a isso, porque quando falamos em custo de produção, não podemos pensar que o cálculo considera somente insumos, mão de obra e máquinas. Temos de lembrar que tem internet, escritório, telefone, computador, advogado, software, veículos para se deslocar até a fazenda, mensalidades e anuidades.

Esses valores podem variar conforme o porte da propriedade, as culturas desenvolvidas e outras particularidades. De toda forma, é preciso diferenciar os custos. Os fixos são aqueles pagos todos os meses, como pró-labore, folha de pagamento dos funcionários, escritório e manutenção.

Por sua vez, os custos variáveis mudam conforme a sua produção. É o caso de insumos, contratação de trabalhadores temporários, armazenagem, transporte e impostos. Considere ainda a depreciação como gasto fixo, porque ela representa a perda de valor do maquinário devido à sua obsolescência ou desgaste natural.

6. Considere todos os gastos

Miriam Fiss Bosenbecker aponta que um dos maiores equívocos é considerar apenas maquinário, insumos, combustível e mão de obra no cálculo. “O custo com estradas, por exemplo, com canais, energia elétrica, despesas da sede etc. só existem porque há negócios. Portanto, devem ser considerados como custo”, destaca.

Por isso, é preciso atentar ao entendimento sobre quais fatores devem entrar na conta. É preciso ir além do custo direto da atividade e acrescentar os indiretos para evitar uma informação distorcida de custo.

Para ter uma posição correta de fluxo de caixa, é necessário controlar também os financiamentos de investimentos, como os Finames. Esses financiamentos têm prazos de pagamento entre cinco e oito anos, com parcelas anuais. Por isso, devem ser considerados para garantir que as parcelas sejam cobertas.

Assim, você sabe quanto investir e evita o endividamento pela falta de fluxo de caixa. Da mesma forma, deixa de comprometer seu patrimônio para quitar dívidas, como vemos ocorrer diversas vezes.

7. Use um software de gestão específico para produtor rural

Usar uma solução específica prepara e deixa o custo pronto, tanto por área quanto por hectares, à medida que você lança seu movimento financeiro e manejo das atividades no sistema. É o que o SCADIAgro faz. Ele tem uma padronização tanto para fins fiscais quanto gerenciais. Assim, conforme os números são inseridos o custo de produção é dimensionado.

Como trabalha com centros de custo ligados a atividades e safras, o SCADIAgro consegue controlar diversas atividades durante o ano-safra. Além disso, apura o custo de produção e os resultados das atividades de forma isolada, bem como o resultado total da safra. Ao mesmo tempo, consolida as informações fiscais para a apuração do Imposto de Renda, Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR), entrega de arquivos fiscais do Sped e outras obrigações fiscais.

Existem ainda os centros de custo sem relação com atividades, como financiamentos, investimentos imobilizados, receitas e despesas financeiras, que não entram no cálculo de custo de produção, mas devem ser levados em consideração para a análise de viabilidade do negócio.

Em resumo, um software de gestão específico para o produtor rural, como o SCADIAgro, facilita o cálculo de custo de produção, principalmente se tiver como base o controle financeiro e a conciliação bancária, pois, dessa forma, garante que todos os gastos e os recebimentos estarão presentes na avaliação. Você ainda tem uma visão real de gastos e toma decisões mais acertadas, que ajudarão sua propriedade rural a alcançar melhores resultados.

Gostou de saber a importância do cálculo de custo produtivo e como realizá-lo? Entre em contato conosco e conheça melhor o SCADIAgro.

Você também pode gostar

Deixe um comentário