fbpx

Produtor Rural, você terceiriza sua responsabilidade fiscal?

4 minutos para ler

Por Jonas Gibbon Costa

CEO na SCADIAgro | Agricultor | Contador

FacebookInstagramLinkedInTwitter

Impostos e declarações tem sido sempre sinônimo de “incomodação” para os produtores rurais.

É raro encontrar aquele que trate estes assuntos com o interesse e consideração que merecem, queremos sempre que sejam “coisa do contador“, sobrando para nós a sina de reclamar do valor da guia para o pagamento do imposto.

Ano após ano foi assim, quando faltavam uns 30 dias para a entrega da declaração de IR, mandávamos todos aqueles documentos para nosso contador de confiança. Ele, de posse daquela montanha de notas, recibos, contratos, fazia alguns cálculos e nos entregava a guia de pagamento. As vezes os valores estavam acima do que imaginávamos e era necessário caçar mais algumas notas perdidas, fazer alguma “operação de emergência” ou até mesmo pedir que um milagre acontecesse para reduzir aquele valor a ser pago.

Como deu para notar, tudo que falei está no passado, isso mesmo, PASSADO! 

Já é possível ver evolução dos processos de fiscalização. A automatização das informações sobre as compras de produtos agrícolas pelas indústrias através da obrigatoriedade de emissão da nota fiscal eletrônica de entrada e do envio mensal dos arquivos da ECF, por exemplo, já dá seus frutos:

A operação DECLARAGRÃOS que teve no dia 20/10/2020 sua segunda fase no Rio Grande do Sul é um deles. Conforme as informações da Receita Federal, apurou-se que “nos quatro anos abrangidos pela operação (2016 a 2019), identificou-se a omissão de receitas provenientes de atividades rurais que ultrapassam a cifra de R$ 17,8 bilhões.”

Sempre que posso tenho chamado a atenção dos produtores para esta situação, quando falamos em gestão de propriedades rurais, falamos também da gestão tributária destas propriedades e da importância do planejamento tributário integrado aos demais processos financeiros de uma propriedade.

Tenho visto vários profissionais da área tributária repetirem este alerta e literalmente tentarem “chacoalhar” os produtores para que eles assumam seu papel de gestor também com relação a este tema, precisamos acabar imediatamente com a TERCEIRIZAÇÃO DE RESPONSABILIDADE FISCAL e assumir o comando desta difícil relação que mantemos com os impostos, saindo desta cômoda posição de “vítimas das circunstâncias”.

Powered by Rock Convert

Este modo de pensar, que precisa realmente ficar no passado, é normalmente reflexo do amor incondicional pelo trato da lavoura ou do rebanho que não nos deixa espaço para olhar com o mesmo amor para o planejamento tributário e a consequente “doma” do leão do IR.

É possível melhorar esse processo

Hoje é possível acompanharmos a evolução do IR mês a mês, de forma integrada ao trabalho diário da propriedade. Aproveitando as informações de compras de insumos, vendas de produção, pagamentos de serviços, folha de pagamento, enfim de todo o fluxo financeiro, tanto para a apuração dos resultados financeiros quanto para a apuração dos resultados fiscais e desta forma conseguirmos executar o planejamento tributário que foi definido, reduzindo importantes custos fiscais que poderiam ocorrer caso não houvesse controle.

No Podcast Gestão Rural, que faço em conjunto com o Gabriel Martins e o Paulo Ozaki, já falamos sobre impostos várias vezes: falamos sobre IR e LCDPR nos episódios Gestão Rural #03 – Chegou a hora do Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR) e Gestão Rural #04 – De olho no Leão onde contamos com a participação da Paola Rafanhin Gatto e no mês de outubro falamos sobre planejamento e gestão tributária com a participação do Hugo Monteiro Cunha no episódio Gestão Rural #10 – Gestão Tributária em Propriedades Rurais.

Neste ultimo episódio o Hugo nos exemplificou algumas situações de impostos e fiscalização que podem ser a diferença entre lucro e prejuízo para um produtor e como estas situações podem ser controladas através de planejamento.

Como podem ver, não adianta mais fugirmos da gestão tributária ou terceirizarmos a responsabilidade das decisões ao nosso contador ou até mesmo ao nosso software fiscal. Precisamos estar juntos e atentos para que os melhores caminhos sejam seguidos e para que aquela “guia de IR” seja paga quando realmente tivermos resultados financeiros positivos, evitando multas e sanções que podem inviabilizar nossa continuidade na atividade rural.

ASSUMA O CONTROLE DA GESTÃO TRIBUTÁRIA DE SUA PROPRIEDADE E TENHA MAIS RENTABILIDADE!


Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário